terça-feira, 26 de março de 2013

ÉTICA MINISTERIAL


18ª EBOJ – ESCOLA BÍBLICA DE OBREIROS DE JOINVILLE


Disciplina: Ética Ministerial
Preletor: Pr. Sérgio Melfior[1]

ANOTAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE ÉTICA MINISTERIAL

I - A ORIGEM DA ÉTICA

1. ÉTICA COMO SISTEMA DA FILOSOFIA
ÉTICA – conduta do indivíduo;
- Política – conduta ideal do Estado;
- Lógica – o raciocínio que guia o pensamento;
- Gnosiologia – a teoria do conhecimento;
- Estética – a teoria das belas artes;
- Metafísica – teoria sobre a verdadeira natureza da existência.
A ética iniciou com o homo sapiens;
Antes do início da filosofia ocidental as religiões já se preocupavam com a retidão da conduta humana – formando doutrinas de julgamento e recompensa.

Sócrates, em 450 a. C. foi considerado como pai da ética no sistema filosófico. Ele formulava perguntas: O que é a coragem? Justiça? Piedade? Amizade? E quando os atenienses respondiam dizendo que eram virtudes. Ele indagava o que é a virtude?
a) Ética Descritiva: constata como o ser humano se comporta.
b) Ética Normativa: determina como o ser humano deve se comportar.

2. DEFINIÇÕES DA PALAVRA ÉTICA
a) Grego: ethos = costumes, disposição, hábito;
b) Latim: moris = vontade, costume, uso, regra;

- A ética investiga e julga a conduta boa, má, certa, errada; o que deve e o que não deve ser feito;
- A ética nos faz perguntar: Qual padrão pode ser aplicado à todos os indivíduos?
- A ética ensina como definir o certo e o errado, a bondade e a maldade, qual é o verdadeiro dever e como o alcançar.
- O alvo da ética é descobrir as virtudes do homem para desempenhar funções dentro da sociedade para o bem do indivíduo e da sociedade.
- O padrão ético permite corrigir a conduta defeituosa dos homens.


II - A ÉTICA DO LÍDER

- A ética conduz o líder a estabelecer uma boa conduta pela experiência pautada na Palavra de Deus.
- O líder tem que aplicar os padrões éticos em sua vida aqui e agora, sem deixar as circunstâncias os variarem.
- Ética ministerial não é relativa, pois a consciência já previamente avalia os verdadeiros valores.
- Não podemos esquecer que é aqui neste mundo que podemos vencer ou sermos derrotados.

A ética desperta no líder 4 virtudes principais:
1. Sabedoria – reconhecer a fragilidade;
2. Coragem – admitir os erros;
3. Moderação – para equilibrar as atitudes;
4. Justiça – para dominar as tendências.

A ética do líder cristão ensina a fazer 3 perguntas para si mesmo antes de tomar uma decisão:
1. Eu quero?
2. Eu devo?
3. Eu posso?
- A ética ministerial segura a boa reputação do líder.
- Todo o líder tem que se preocupar com a sua reputação.
- As atitudes erradas causam influência.
- O reflexo de nossos atos é imediato em nosso ministério.

Veja a ordem das consequências:
1. Autocondenação
2. Satanás acusa
3. A sociedade condena
- Temos que ter consciência, pois o povo sabe quando temos caráter e vida limpa.
- Não adianta pregar uma coisa e viver outra.

3. ÉTICA NO ACONSELHAMENTO

a) O conselheiro tem que ser ético
- Guardar confidências;
- Evitar o contato físico - “Fuja da aparência do mal” (1 Ts. 5.22);
- Não usar os aconselhados para satisfazer os desejos pessoais;
- Controlar as emoções – e passar confiança ao aconselhado;

b) Perigos no aconselhamento
- Ouvir só um lado da história;
- Chegar à conclusão prematuramente;
- Envolver-se na situação;
- Intimidade (1 Co. 10.12).


III – A ÉTICA NO MINISTÉRIO

1. ÉTICA NO MINISTÉRIO - CITAÇÕES DE JAIME KEMP
- Não podemos alcançar posições no ministério por meio da manipulação;
- Não podemos subir no ministério através de influências convenientes;
- Não podemos crescer por meios duvidosos e desonestos;
- Jesus não quer uma liderança materialista e mundana;
- Se não tivermos ética em nosso ministério, nossa liderança será perigosa;
- O líder tem que estar aberto às correções, às vezes de colegas, da esposa e de amigos;
- O líder tem que fazer cada dia uma auto avaliação rígida;
- O ministro tem que ser totalmente honesto;
- O líder tem que aceitar correções: pela palavra, pela convicção do Espírito Santo, ou por um instrumento humano.

2. A ÉTICA NOS ENSINA A VER A DIMENSÃO DO NOSSO MINISTÉRIO (2 CO. 3.6-11)
- Um ministério de nutrição. “Cristo alimenta a Igreja” (Ef. 5.29).
- Um ministério exercido com brandura. “Ao servo do Senhor não convém contender” (2 Tm. 2.24-26); Tt. 3.2; 1 Ts. 2.7.
- Um ministério com afeição. “Porquanto nos éreis muito queridos...” (1 Ts. 2.8).
- Um ministério que dá vida (João 10.11).
- Um ministério que se gasta, se doa (2 Co. 12.15; 1 Ts. 2.9; Fp. 2.17; Fp. 4.1).
- Um ministério de exemplo, não de domínio (1 Pe. 5.3; Ez. 34.4; Mt. 20.25-28; Hb. 13.7; 1 Tm. 3.4).
- Um ministério exercido com atração. Aquele que atrai (João 10.27).
- Acima de tudo, um ministério que inspira.
- Um ministério que é exercido por desafio (Js. 24.15).
- Um ministério que é exercido de boa vontade (1 Pe. 5.2).

Joinville (SC), março de 2013.


[1] Pastor Presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Joinville (SC) e Secretário da CIADESCP.

Um comentário:

Ilze Moreira disse...

Estive presente nesta aula e ao mesmo tempo que parece tão simples o conteùdo, é tão difícil compreender o que é ética ministerial. Para muitos obreiros que ainda não estão preparados suficientes, subir ao púpito e ministrar a palavra é algo fácil, mas, o compromisso é grande demais e fora do púpito, a liberdade é sem medida e muitos não exercem a ética por falta dela. Parabéns Pr. Sergio Melfior, sabemos que para chegar até aqui, muitos foram os anos de aprendizado e prática. Deus o abençõe.
Ilze Moreira